segunda-feira, 29 de agosto de 2011

lei da separação




para o dr. manuel sá marques
com um abraço de fraternal amizade



fui visitar, na semana passada, a exposição "a lei da separação: estado e igrejas na república", a qual se encontra ainda patente no arquivo contemporâneo do ministério das finanças, até 31 de agosto. é uma exposição a não perder, pela sua simplicidade e pelo seu conteúdo informativo. pena não haver um catálogo, como em muitas outras exposições que visitei no âmbito das comemorações do centenário da implantação da república. do tema em questão, fica como sugestão de leitura o livro "a separação do estado e da igreja: concórdia e conflito entre a primeira república e o catolicismo", de luís salgado matos. em contrapartida, o respectivo arquivo publicou um desdobrável informativo, bastante elucidativo, da respectiva questão, publicando a cronologia patente na exposição, desde 1911 até 2005. desta forma, a cronologia encontra-se assim estabelecida: i) 1910-1911 - a caminho da lei; ii) 1911-1917 - concórdias e conflios - aplicação da lei da separação de 1911; iii) 1918 - a «nova» lei da separação; iv) depois de 1919 - divergências e convergências na longa execução da separação. por seu turno, a exposição encontra-se dividida perante a própria lei, nomeadamente: 0 - decreto de 20 de abril de 1911 - a lei da separação; 1. da liberdade de consciência de cultos; 2 - das corporações e entidades encarregadas do culto; 3) da fiscalização do culto público; 4) da propriedade e encargos dos edifícios e bens; 5) do destino dos edifícios e bens; 6) das pensões aos ministros da religião católica; 7) disposições gerais e transitórias. apresento um filme da referida exposição.




video

de afonso cruz, o mundo





ficamos sempre na expectativa com o título. só que o título é um pequeno nada quando se lê esta história, o último livro do escritor português afonso cruz, e que se chama "o pintor debaixo do lava-loiças". entre o que poderá ser a realidade, o espaço geográfico do mundo do pintor josef soers, isto é, ivan soers, e o espaço geográfico da infância do escritor afonso cruz, há um ponto em comum: a estética. se em ivan soers nos surgem reflexões estéticas à volta do que poderá ser a arte, em afonso cruz, através da personagem wilhelm, surgem-nos reflexões sobre o que poedrá ser a literatura. se logo no início nos surge a justificação desta história, na medida em que "as histórias não podem ser engarrafadas sem que se estraguem rapidamente", até porque elas "têm de andar ao ar livre como os animais selvagens", o que se deve fazer com as histórias é que "temos de as soltar para que possam correr todas nuas, digamos, libertas, sem preconceitos"; e, para além das reflexões estético-literárias, perante a ironia e o humor, afonso cruz oferece-nos reflexões éticas e existenciais, seja sobre o amor, a guerra, a morte, a interioridade do humano, sobre o tempo, transmite-nos uma ideia de portugalidade, enfim, a transcendência do mundo em nós, melhor, aquela in-transcendência para além daquele projecto de soers e que se chamava "museu das coisas inúteis". neste livro nada é inútil. há frases e pensamentos que podemos não concordar com eles, mas, como soers, reinventa-se o mundo, nós mesmos podemos reinventar e redesenhar esteticamente o mundo em nós para sermos outros nele. na mensagem de soers-cruz, de que "a felicidade é quando nos esquecemos da infelicidade em que vivemos", vai precisamente ao encontro do que acabo de dizer. reproduzo num pequeno filme a capa e três desenhos de afonso cruz, com a sua devida permissão, outra riqueza deste livro, cheio de olhos, abertos e fechados, para vermos melhor o mundo, diga-se, a escrita enquanto mundo de uma in-transcendência que se eleva.




video