domingo, 30 de janeiro de 2011

rougemont e o amor


I
O Mito de Tristão
II
Origens Religiosas do Mito
III
Paixão e Mística
IV
O Mito na Literatura
V
Amor e Guerra
VI
O Mito Contra o Casamento
VII
O Amor Acção ou da Fidelidade
VIII
Apêndices

eros e amor

"Os homens podem amar o amor, mas o amor não ama."
Harold Bloom






II


FEDRO


Uma das situações, se assim o quisermos, que nunca percebi em alguns filósofos e, mais propriamente no âmbito da Filosofia, foi tratar Eros e o Amor, o encontro do ser humano, melhor, quando Eros e o Amor se encontra no humano, tratando-os como se fossem algo, ou como se fosse algo de objectuável, tratar o Amor e Eros como se de um objecto se tratasse. Somos herdeiros de uma antropologia que sempre viu o outro como uma espécie de quase aniquilamento, ressalvando um em detrimento do outro. Parece que a conversação, a perspectiva dialógica platónica ficou para lá do humano. A sociedade contemporânea comprova esta mesma perspectiva, levando não só Eros e o Amor a uma descontextualização permanente, como a uma das maiores frustrações humanas. É o que acontece com os dois primeiros discursos, o de Fedro e o de Pausânias. Fedro e Pausânias, cada um à sua maneira, efectuam a apologia do amante, não do amado, este fica remetido para um plano secundário, como se não existisse. Temos um ser que fica negado. Diz-nos Fedro, já na parte final do discurso que "o amante tem em si algo de mais divino que o amado, é a divindade que o inspira." (180b) Mas em Fedro, Eros e o Amor tem uma das suas características mais proeminentes: o amor conduz o homem à acção, porque o amante não pode desonrar o amado. Mas o perigo da obsjectualização do amor é, precisamente, esse, a anulação do amado. Aqui ressalva-se a virtude da coragem perante o amor altruísta. O exemplo concreto de Fedro é o Batalhão Sagrado de Tebas, o qual é uma força irresistível. Neste sentido, temos em Fedro uma espécie de amor meritocrático que eleva o humano à felicidade. Nos nossos tempos, este altruísmo amoroso de Fedro se salve na solidariedade humana.







PAUSÂNIAS



Pretende "definir a espécie de Amor que devemos elogiar e fazer em seguida um elogio condigno da sua divindade." (180d) Logo de seguida distingue o amor popular do amor celeste: no primeiro, temos as características da concupiscência, a satisfação dos impulsos, a imagem do corpo; por seu turno, o amor celeste não conhece excessos de alma, porque, segundo Pausânias, "o que determina [a] qualidade num acto é o seu modo de realização: se o realizarmos de forma bela e digna, ele resulua belo; em caso contrário, vil. Assim acontece quando amamos: nem toda a espécie de amor é bela e digna de elogios, mas apenas aquela que nos incita a amar com nobreza." (181a) De seguida, pretende estabelecer uma nova lei, novas regras comportamentais do amado perante o amante perante a pederastia na sociedade ateniense, que era tolerada relativamente a outros meios sociais, condenando-a. Acrescenta algo mais relativamente a Fedro na apologia do amante: "ao "amante todas as extravagâncias são perdoáveis, as normas não desacreditam o seu procedimento, antes parecem aceitá-lo como sinal de máxima distinção." (183b) Netse sentido, e no caso da sociedade ateniense, e no caso específico de Pausânias, a relação amante-amado faz parte do processo educacional e instrucional do segundo: "o amor não tem uma natureza simples, bela ou feia em si mesma: é belo, se realizado com beleza, e feio, se realizado com vileza. Vileza, é quando se concede uma afeição indigna a um homem indigno; e nobreza, quando se concede uma afeição digna a um homem de bem. E por indigno entendemos justamente esse amante popular, que prefere o amor do corpo ao amor da alma, e não guarda constância porque o objecto a que se prende não é também constante: logo ao passar a flor da juventude, objecto da sua paixão, «evola-se e desaparece», renegando as suas muitas promessas e discursos. pelo contrário, aquele que ama alguém pela beleza do seu carácter, essa permanece fiel pela vida fora, porque se funde com o que é constante." (183d) Algumas considerações desta citação: se, por um lado, nos deparamos aqui com a virtude da constância, o amor permanente, nas relações amorosas (hoje, as relações amorosas, tanto começam de uma forma rápida como acabam rapidamente), por outro, temos uma espécie de filosofia da educação entre amado e amante, o que faz lembrar a relação aluno e professor, as relações do mestre para com o discípulo. Só que nesta relação não existe uma relação do conhecimento, ou, como dizem alguns, uma sabedoria erótica, cuja dicotomia não é resolvida, na medida em que é essencialmente um amor de honra. Em Pausânias temos algo kantiano: as intenções são mais importantes que os bons resultados. É quando pretende elevar o amor em direcção à virtude: "o amante e o amigo convergem na mesma intenção e observam, de parte a parte, as normas respectivas: aquele retribui afeição que o amigo lhe concede, pondo-se ao seu serviço em tudo o qe é justo servi-lo; este, por sua vez, secunda em tudo o que é de justiça as vontades daquele que o encaminha na sabedoria e na virtude." (184d) Apesar de tudo, o discurso de Pausânias alerta-nos para a génese da Filosofia através do dualismo corpo/ alma, a actividade da comunidade na ginástica, estando aqui patente o culto da sabedoria grega. Uma das características que Pausânias se refere a Eros e ao Amor é "dar tempo ao tempo" (184a), até porque "se afigura um excelente juiz". É um bom conselho para os dias de hoje. Em suma, a grande mensagem de Pausânias é que a lei e a ordem tomam o lugar da beleza e da paixão, não havendo lugar para Eros e o Amor se vivenciar plenamente.



ERIXÍMACO



Elabora uma abordagem científica do Amor, numa relação entre a medicina e Eros. Quando nos define a medicina como algo que "consiste senão no facto na ciência dos fenómenos de amor do corpo relativos à repleção e à vacuidade (186c) é não só com uma deselegância que abre o tema, como possui uma falta de sensibilidade para falar de Eros e do Amor. Devoto da ordem, por causa da saúde do corpo, a beleza, eros, as paixões e o amor subordinam-se a essa mesma ordem corporal, a da saúde. Erixímaco é uma espécie de kantiano higienista. Defensor da harmonia, devido ao receio do caos, não encontra Eros e o Amor na natureza intrínseca a si mesmo, aconelhando um consumo moderado da sexualidade, porque se Eros e o Amor podem gerar e propiciar a abundância e a saúde, em excesso, podem provocar a desarmonia, o caos, epidemias. Tal como os discursos anteriores, ainda divide Eros e o Amor em duas categorias: o Amor nobre e o Amor popular. Poderemos considerar Erixímaco como um adepto do New Age, ao evocar-nos o amor cósmico: "A adivinhação, portanto, cabe também uma função de vigilância e cura no que respeita a estes dois Amores; e nessa medida é igualmente a obreira da amizade entre os deuses e os homens, graças aos conhecimentos de todos os fenómenos de amor humanos que entram no âmbito da lei divina e da piedade." Quem ajuda a fomentar a separação e a harmonizar os dois amores para Erixímaco é a música, que nos surge como arte e técnica da sabedoria em direcção à Filosofia.




ARISTÓFANES


Ímpar e original é o discurso de Aristófanes. É um discurso que agrada a todos os lobbies sexuais dos nossos dias. A inclusão de Aristófanes por parte de Platão no livro é magistral. Comediante, autor de "As Nuvens", "Os Pássaros" e de "A Assembleia de Mulheres", crítico de Sócrates, vem alterar por completo o rumo discursivo. Já não existe a dualidade do amante e do amado. Logo no início do seu discurso, Aristófanes evoca o famoso "Mito das Esferas" nos seguintes termos: "Antes de mais nada, importa que fiquem a conhecer a natureza humana e as suas mutações. Pois a nossa antiga natureza não era tal como hoje, e sim diversa. Para começar, os seres humanos encontravam-se repartidos em três géneros e não apenas em dois - macho e fêmea - como agora: além destes, havia um terceiro que partilhava das caratcerísticas de ambos, género hoje desaparecido, mas de que conservamos ainda o nome. Era ele o andrógino, que constituía então um género distinto, embora reunisse, tanto na forma como no nome, as características do macho e da fêmea; hoje, contudo, não passa de um nome lançado ao descrédito..." (189, d-e) O que Aristófanes pretende, com tal mito, da androginia, falando nas suas características genéticas
lodo de seguida, é evocar o laço de união que o se seres humanos perderam, particularmente a natureza humana de Eros. Aqui surgem duas intenções clarificadores de Aristófanes: se, por um lado, a filosofia e a ciência são praticadas com um discurso não erótico, não amoroso, não indo ao encontro daquilo que é mais humano, a literatura, por outro lado, e em especial a poesia, tem a vantagem discursiva erótica dese mesmo encontro. Em Ágatom, a poesia terá a mesma significação. A dualidade dos discursos anteriores é suplantada pela amizade, a qual contém uma serenidade erótica, lebando à felicidade o ser humano na relação amorosa. No fundo, quando Aristófanes nos diz que "o amor que restabelece o nosso estado original e procura fazer de dois um só, curando assim a natureza humana" (191d), o que aqui temos não é senão o desejo de sermos unos: o ser humano é um ser incompleto e a consciência de tal incompletude é essencial à sua humanidade.






ÁGATON


No Banquete, é o nosso John Lenon, "Só o Amor é Necessário". E porque digo isto? Porque Ágaton centra-se essencialmente na beleza de Eros e não nos diz nada acerca da forma como essa beleza se torna parte no mundo e no ser humano, assim como também se preocupa apenas com a qualidade de Eros, a aparência, não se preocupando com o seu ser. Começa o seu discurso acusando os protagonistas anteriores, não deixando de ter a sua razão: "todos os que me procederam, em vez de fazerem o elogio do Amor, se limitaram a exaltar a felicidade dos homens pelos benefícios de que ele é causa. Mas propriamente a natureza de deus que concede tais benefícios, isso ninguém deixou dito... Ora, em toda a espécie de elogio e qualquer que seja o assunto, há um único método válido: definir a natureza do objecto que nos propomos versar e, em função dela, a dos efeitos que produz." (195a) Começa por traçar o elogio da beleza de Eros e do Amor pela sua prova existencial: a juventude e a delicadeza, focando as virtudes: a justiça, a temperança, a coragem e a sabedoria, cujo conhecimento, conforme já o dissemos, se encontra relacionado com as artes especializadas, encontrando-se aqui a poesia, a própria arte de Ágaton. Desmultiplicando a felicidade entre a beleza e a bondade, acaba por não nos explicar como é que o ser-se belo contribui para a felicidade no humano. Adjectiva, superlativizando, louvores a Eros e ao Amor. Foi isto que Sócrates não gostou.





SÓCRATES

Efectua a desconstrução do discurso de Ágaton. ´Contudo, logo no início do seu discurso, crítica não só Ágaton, como também os restantes intervenientes: "Foi, portanto, «a língua» que assentiu e «não o espírito»... Nada feito! Renuncio, desde já, a louvores desse estilo, pois não tenho qualquer jeito para eles. Agora, se vocês aceitam a perspectiva da verdade, isso sim, estou pronto a falar - mas ao meu modo pessoal, sem competir com os vosso discursos, porque não quero cair no ridículo! (199) A primeira hipótese que coloca é o discurso que o seu auditório pretende escutar, sobre "a verdade do amor" (199b) ou não. Para a desconstrução do discurso de Ágatom, Sócrates analisa inicialmente a natureza de Eros e do Amor e, de seguida, a sua função, aqui colocando a problemática do desejo, para entrar e informar sobre o diálogo que manteve com Diotima de Mantineia, a qual é uma "mulher versada não só nesta matéria como em muitas outras." (200d) A primeira questão que Sócrates coloca a Diotima é sobre o que Eros é em si mesmo. Um "Daimon", um génio poderoso, responde-lhes Diotima, intermediário entre o humano e o divino. Será, propriamente, na identidade, na sua génese que encontramos toda a paradoxalidade do Amor e de Eros, já que se encontra entre a pobreza e o engenho, entre a sabedoria e a ignorância. Neste sentido, qual será então a actividade mais nobre? A Filosofia. Os filósofos, os "Daimónion", diz-nos Diotima que "são intermediários entre ambos os extremos, como indubitavelmente sucede com o Amor: pois se a sabedoria se conta entre as mais belas coisas e se o Amor é amor do belo, forçozamente terá de ser filósofo e, como filósofo, situar-se no meio termo entre sábio e ignorante." (204b) Depois, Diotima passa a analisar a utilidade de Eros e do Amor (belo, bom), para passar à questão da sua imortalidade, a qual a divide em quatro partes de actividade humana: i) fecundidade, ii) alma (sabedoria, conhecimento), iii) técnica e criação, iv) organização do estado, família, sociedade. Aqui entra o processo educacional, no qual está, então, patente a escada ascendes do amor, entre o sensível ao inteligível, passando pela beleza física até à beleza espiritual, mediante a filosofia, pela sabedoria, pela beleza, pela imortalidade. O processo educacional do Amor e de Eros é este: "Ora, quando alguém se eleva da realidade sensível, graças à prática de amar correctamente os jovens, e começa a distinguir esse Belo de que falamos, já pouco falta para atingir a meta. E aqui tens o recto caminho pelo qual se chega ou se é conduzido por outrém aos mistérios do amor: partindo da beleza sensível em direcçºao a esse Belo, é sempre ascender, como que por degraus, de beleza, de um único corpo à de dois, da beleza de dois à de todos os corpos, dos corpos belos às belas ocupações e, destas, à beleza dos conhecimentos, até que a partir destes alcance esse tal conhecimento, que não é senão o do Belo em si, e fique a conhecer, ao chegar ao termo, a realidade do Belo." (209 b-d)





ALCIBÍADES
Após um discurso amoroso não correspondido, efectua a apologia de Sócrates. Esta apologia é o que convém aqui salvar.

sábado, 29 de janeiro de 2011

milan kundera
















lídia jorge

















eros e amor

DO SENSÍVEL AO INTELIGÍVEL OU OS DEGRAUS DO AMOR
PRIMEIRAS OBSERVAÇÕES
"Todo o ser se desvele com o que é"
Platão, Banquete
"Por prática entenderemos qualquer forma coerente e complexa da actividade humana cooperativ, estabelecida socialmente, mediante a qual se realizam os bens inerentes à mesma enquanto se intenta conseguir os modelos de excelência que são apropriados a essa forma de actividade e a definem parcialmente, com o resultado da capacidade humana conseguir a excelência e os conceitos humanos dos fins que se extendem sistematicamente.
Alasdair MacIntyre, After Virtue



I
Várias foram as ideias para esta palestra que abre o III Filo-Café, intitulado "O Amor, Corre no Sangue dos Filósofos?", organizado pela Associação Portuguesa de Ética e Filosofia Prática, e que decorreu na biblioteca da Escola D. Sancho I. Principalmente, o começo, o seu início, permite o propósito que aqui me traz, perante o tema a ser analisado, o amor no sangue dos filósofos, amor que anda tão desencontrado na sociedade contemporânea, palavra gasta e inócua. Resolvi ficar pelo mais simples, isto é, na apresentação das ideias dos discursos de Fedro (faz o elogio do amante), de Pausânias(o mesmo que Fedro), Erixímaco (que tem uma visão científica do amor e, ao mesmo tempo, um amor-cósmico, hoje seria adepto da New-Age!), Aristófanes (proclama a busca do amor-próprio), Ágaton (que se preocupa apenas com a qualidade de Eros e não com o seu ser), Sócrates (o amor como um degrau) e Alcibíades (a apologia a Sócrates), e naquilo que cada discurso poderá significar para os dias de hoje. O livro já se adivinha: "O Banquete", de Platão. No fundo, a mensagem que poderemos ressalvar desses mesmos discursos para uma humanização do amor nos tempos tão conturbados de hoje, tão desencantado que anda, é o amor em diálogo para sua salvaguarda. Paralelamente, algumas reflexões pessoais irão estar patentes ao longo deste texto,, dos paradoxos dos próprios intervenientes no "Banquete", exceptuando, claro, quer aceitemos ou não, o caso de Sócrates, o qual promove a excelência do reencontro de Eros e do Amor consigo mesmo enquanto revelamento de algo misterioso e mágico, no desvelamento do encontro de dois seres.





II


Na página social do Facebook, abri o tema com a seguinte questão, tomada do livro de Agostinho da Silva "Conversações com Diotima". Ei-la: "Como se pode justificar uma criação dos deuses em que a maior parte dos homens não tem possibilidade alguma de seguir o que ensinaste sobre os caminhos do Amor?" A colaboração, por si só, não deixou de ser rentável, mas de fraca participação. Das cinco colaborações, uma foi masculina, as outras restantes femininas. A questão que surge é esta: será que Eros e o Amor só interessa ao mundo feminino? O mundo masculino parece que anda arredado, longe, das questões de Eros e do Amor, no fundo, da sua excelência. Em contrapartida, na altura do debate, na sessão, o mundo masculino revelou-se, não o feminino. Isto apenas significa o quanto de paradoxal a sociedade contemporânea se revela. Talvez. O que revela, se quisermos, é uma certa indiferença da sociedade e, mais concretamente, das páginas sociais da web, as quais são esencialmente, independente da aderência ou nao a projectos sociais apelidados de "Causa", (Junta-te a esta causa), as quais são, essencialmente e, paradigamticamente, individualistas. O que temos é um exacerbamento do "Eu", personalizado em alguns momentos, na busca possível de uma humanidade perdida. A resposta masculina salvou-se, particularmente, no mais do que famoso par romântico Romeu e Julieta, poeticamente. Shakespeare salva o amor e Eros no encontro do pecado: "Romeu, após um abraço beijado: Oh! Os teus lábios apagaram os pecados meus. / Julieta: e os meus lábios guardaram para eles o pecado que encontraram nos teus..." Eis o feminino perante a pureza, não o masculino: o masculino, enquanto lado negro do Amor e de Eros, temos o feminino na imagem de divindade, a de anjo, mas também demónio, na configuração romântica. No mundo de hoje, talvez esta imagem do mundo feminino mereça ser repensada, entre o anjo e o demoníaco, encarnando o feminino no masculino. Sempre houve, é certo, mas hoje perante várias correntes e manifestações de Eros e de Amor desconfiguradas da sua humanidade, busca-se o amor para o rejuvenescimento de uma identidade perdida que não se alcança, numa satisafação amorosa de fluídos para se completar a solidão. Estamos perante, isso sim, na imagem de um novo feminismo, reconvertido na imagem masculina. O desnorte, o sem sentido, é quando o mundo feminino tem consciência de que uma relação (com um homem casado, por exemplo) não leva a lado nenhum! É a imagem da incompletude do humano na perspectiva de Aristófanes. Hoje, e possivelmente como em todos os temos, não sabemos onde se encontra Eros e o Amor, perante o exacerbamento físíco dos corpos, não sabemos onde se encontra a realidade dos valores, entre aquilo que poderá ser eticamente correcto ou não. O comportamento humano encontra-se desvirtualizado, visualizando-se virtualmente, numa fronteira humana que já não existe, pelo menos no privado. Não deixa de ser curioso: o discurso de Aristófanes encontra-se aqui bem vivo, relacionando-se hoje com todos os lobbyes sexuais! Uma das participações femininas salientou que existem vários tipos de amor. Desta forma, devemos amar a nossa família e nos amar propriamente, porque só assim sabemos o tipo de pessoa que nos preenche. Ao conhecermo-nos pessoalmente, mais uma vez o amor-próprio, que não nos fica nada mal, mas, diga-se, sem carimos no narcisismo, é desalutar. Uma vez mais Aristófanes. Uma outra ideia que a mesma pessoa avança é que as pessoas sofrem por Amor porque não se amam, digamos, e acrescento, a elas próprias. Quem nos ama, na mesma ideia, não nos faz sofrer. Sendo o Amor o sentimento mais sublime, o mais puro da condição humana, continua a dizer-nos, que existe preconceito(s) sobre o Amor, assim como também discriminação, porque existem muitas barreiras par serem quebradas. Isto significa, julgo, se, por um lado, não tem nada a ver com as questões homossexuais, por outro lado, é que o ser humano não se revela perante Eros e o Amor quando este se manifesta. No fundo, a mensagem que aqui fica, espantosa mensagem esta, mais do que encontrar o coração puro, o ser humano deve encontrar-se consigo mesmo porque foge de si mesmo e, ao mesmo tempo, da sua própria vida. Uma outra ideia que se configurou perante a questão de Agostinho da Silva foi retirada dele próprio, numa citação, sem indicação de origem, cuja idealização conclusiva se situa entre a belexa sensível e a beleza espiritual, nas palavras de Platão, remetendo-nos parav a caminhada errante de Eros e do Amor em bsuca da felicidade, situada esta, em Silva, na beleza espiritual, entenda-se, no conhecimento. Finalmente, surgiu o seguinte comentário interrogativo, o qual serve o nosso propósito para viajarmos pelo "Banquete", dizendo-nos o seguinte: "De que adianta buscar explicações para o incompreensível, se não somos capazes de exercer o mais humano dos sentimentos?"A resposta preliminar que podemos, ou posso dar, a este comentário interrogativo é a mensagem geral que Platão pretende com o seu "Banquete", e já aqui referida: que o amor surja como acto de conversação para a descoberta mútua e a sublimação do ser humano, para que a sociedade não seja lucreciana, mas mais platónica. É tempo de entrarmos nos diálogos. Amanhã, o mais tarde, colocarei o texto da palestra.





quarta-feira, 26 de janeiro de 2011

camilo inédito



Jornal de Letras, Artes e Ideias (12 Jan. 2011), pp. 8-9.

do amor nos filósofos


Opinião Pública (26 Jan. 2011), p. 23

terça-feira, 25 de janeiro de 2011

a voz do emerso de alexandre

Apresentação do novo livro de Alexandre Teixeira Mendes "A Voz do Emerso", no Clube Literário do Porto, na cidade invicta, com ilustrações de Elisabete Pires Monteiro, no piano-bar, às 17h00.






Noite Escarlate




Respiro a custo em meio às naves

Meu corpo ascende pelo teu alento

Por sobre a abóbada celeste alucino

Detenho-me na noite escarlate

Sob o que de repente se esvai

O frémito do azul anil do céu

Ante o que assoma irrevogável

A luz branca retoma o seu fulgor




Alexandre Teixeira Mendes

os filósofos e o amor


segunda-feira, 24 de janeiro de 2011

a ética de aristóteles por fernando savater

savater questionando


I
O Papel da Filosofia
II
Para Começar, a Morte
III
As Verdades da Razão
IV
Eu Dentro, Eu Fora
V
O Animal Simbólico
VI
O Universo e os seus Arredores
VII
A Liberdade em Acção
VIII
Artificiais por Natureza
IX
Viver Juntos
X
O Calafrio da Beleza
XI
Perdidos no Tempo
XII
Vida Sem Porquê?

pensar a república com humor

Na Reitoria da Universidade do Minho, em Braga, está patente ainda ao público a exposição "O Jogo da Política Moderna: desenho humorístico e caricatura na I República". Deixo aqui estas fotografias (e que me desculpe ficarem tão mal!), com um abraço fraternal de amizade saudosa, para o Dr. Manuel Sá Marques.







domingo, 23 de janeiro de 2011

entre a filosofia e a literatura


Roger Bacon





"A natureza, por vezes, ensina-nos coisas surpreendentes, de maneira inesperada."

lídia jorge e portugal




"Percebe-se que o momento aconselha grande prudência, e ela implica passos lentos de desinflamação de relações que estão ao rubro, e não vão deixar de o estar a breve prazo. É possível que a ideia de uma espécie de armísticio universal comece agora a fazer o seu caminho. Lá onde se emaranhou o ódio e a desconfiança em níveis perigosamente insuportáveis, talvez seja possível começar a desenrolar o fio do novelo, em sentido oposto. Ora um país que a si mesmo se define, política e geograficamente, como uma costa, e que se tem por um povo de boa relação, deverá estar preparado para, no futuro, desmuniciar-se desse ethos pacífico que a si mesmo se atribui? Permancendo na sombra, e na apatia e na insignificância, como em tantas ocasiões tem procedido até agora? - Em princípio, não deverá." (186-187)




sábado, 15 de janeiro de 2011

agostinho da silva e diotima





"... como se pode justificar uma criação dos deuses em que a maior parte dos homens não tem possibilidade alguma de seguir o que ensinaste sobre os caminhos do Amor?"

Agostinho da Silva, Conversações com Diotima



sexta-feira, 14 de janeiro de 2011

o feminismo






Emília de Sousa Costa - "O Feminismo". In A Pátria. Lisboa, Ano 1, n.º 283 (29 Abr. 1921), p. 1.

pensar o feminismo

MUSEU DA GUARDA
Carolina Beatriz Ângelo: intersecções dos sentidos / palavras, actos e imagens. Coord. Dulce Helena Pires Borges. Guarda: Museu da Guarda, 2010.



  • Dulce Helena Pires Borges - "Carolina: um enigma"
  • Dulce Helena Pires Borges, João Esteves - "Carolina Beatriz Ângelo: origens, famílias, parentescos, teias, afinidades"
  • Cronologia
  • João Esteves - "Entre o Feminismo, o Republicanismo e o Sufragismo"
  • Isabel Lousada - "Carolina Beatriz Ângelo: cúmplice e conspiradora"
  • Maria Antonieta Garcia - "Mulheres Rebeldes: feministas na cidade; patroas, trabalhadoras e senhoras de malfeitorias menores nas aldeias".
  • António Lopes - "A Luta Pela Plena Cidadania no Feminino"
  • Maria Helena Carvalho dos Santos - "A Primeira Geração Política e Maçónica Integrada por Mulheres e Homens".
  • Maria do Sameiro Barroso - "Prolapsos Genitais - a tese de Caolina"
  • Madalena Braz Teixeira - "Sobre Carolina Beatriz Ângelo".
  • Teresa Pizarro Beleza - "Carolina e o Voto".
  • Manuela Tavares - "Carolina Beatriz Ângelo - 100 Anos Depois - Um Longo Percurso nos Direitos das Mulheres



do catálogo: estandarte da Liga Republicana das Mulheres Portuguesas. Seda Pintada. Colecção Museu Maçónico Português